A magia do pão — Diane Zahler … por Andreia Silva

31538846SINOPSE: Quando Bee, uma órfã no pobre reino de Aradyn, é apanhada a roubar um bolo numa padaria, o padeiro solitário oferece-se, para alegria da jovem, para a tomar como aprendiza. A felicidade recém-descoberta de Bee passa através de magia para os seus bolos, começando a atrair as atenções do palácio, onde reside a princesa Anika. Mestre Joris, um poderoso mago e apreciador de bolos, torna-se no “guardião” de Bee, mantendo-a prisioneira e convertendo todos os terrenos aráveis em campos de tulipas. Graças ao ajudante de ferreiro da aldeia, Bee ajuda a princesa Anika a fugir de um casamento que lhe é imposto. O grupo dá início a uma incrível aventura no alto mar, acabando por naufragar e ser salvo por uma tripulação de piratas, liderada pela temerária capitã Zafira Zay. É uma aventura que conduz a descobertas surpreendentes, de parentes supostamente falecidos e árvores há muito perdidas. O tema da órfã corajosa que descobre a magia e a amizade, pode não ser original, mas ação a rodos e personagens cativantes como Bee, a Princesa Anika e a capitã Zafira Zay, fazem com que este livro se leia dum só fôlego.

OPINIÃO por Andreia Silva:  No reino de Aradyn não existem árvores, apenas túlipas por todo o lado. Bee foge da casa onde vive e vagueia até chegar lá, onde é resgatada por um padeiro que a ensina a arte da panificação. A partir daqui a magia toma conta da história com direito a princesas, piratas e magos malvados.

É um livro infanto-juvenil e apercebi-me disso já depois de começar a leitura, porque tem uma linguagem e uma escrita muito própria dessas histórias: simples, feliz e cheia de peripécias.

A protagonista, Bee, bem como todos os outros do “lado bem” são personagens fáceis de gostar, porque são todas descritas de forma ternurenta. Por outro lado, as personagens do “lado mal” são muito fáceis de se detestar.

É um história bonita, muito delicada e ao mesmo tempo muito forte. Transmite uma mensagem de alegria, de que quando nos empenhamos em alguma coisa temos de a fazer com alegria e com vontade. Fala-nos também da natureza e mostra-nos a importância de todas as coisas que fazem parte dela, de como as devemos respeitar e não as destruir. Todas fazem falta!

É um livro com um ínicio bonito e um final ainda mais sorridente. Porque afinal, sejam as histórias para adultos ou crianças todos gostamos de um final feliz!