Ariadnis – Josh Martin

36671459SINOPSE: Nós viemos depois do cometa.
Nós sobrevivemos à grande onda.
Nós somos as escolhidas.

Depois de o mundo antigo ter desaparecido, restou apenas uma ilha. Os seus habitantes formaram duas cidades, separadas por Ariadnis, uma terra divina. Mas as diferenças entre os povos de Metis e Athenas rapidamente os conduziram à guerra.

Perturbado por este conflito, o ser divino de Ariadnis decreta que em cada uma das cidades nascerá um Escolhido. Dotados de poderes especiais, os dois Escolhidos irão confrontar-se no dia do seu décimo oitavo aniversário, num desafio mortal e misterioso que decidirá qual o povo mais digno de habitar a ilha.

Aula e Joomia são as Escolhidas e resta-lhes apenas um ano até ao dia do grande confronto. Ambas preferiam ter uma vida normal, mas os seus destinos estão traçados, e nesta jornada não há espaço para a amizade nem tempo para o amor.
Só uma reclamará o prémio final de Ariadnis

OPINIÃO: Ariadnis é um livro dirigido a jovens leitores. Esta é a primeira frase que me salta de imediato, após virar a última página.

A história tem início numa profecia. São duas cidades, divididas pela cultura, mas que amam o mesmo Deus (apesar de num lado acreditarem que esse Deus é homem e do outro que é do género feminino).

De tempos em tempos nascem “Escolhidos” que terão de prestar uma prova ao completarem 18 anos.

Confesso que alguns pormenores acerca da profecia e de como ela se tem vindo a realizar ao longo dos anos me confundiu. Não me sinto capaz de traçar uma linha coerente do que realmente aconteceu até ao momento presente da história em relação aos escolhidos (não eram sempre 2, por exemplo).

Aula e Joomia são as protagonistas desta história de fantasia. São as Escolhidas e destacam-se pelas suas personalidades.

Aula é bruta, impulsiva e teimosa. Joomia vive em comunhão com a natureza e é calma, acanhada e muda.

O livro é composto pelos dias que precedem a grande prova. Não aprofunda muito mais, até tropeçar no climax. No fundo, senti que o objetivo era dar a conhecer o peso que as Escolhidas carregam e de como elas tinham de aprender a lidar com essa responsabilidade, não porque uma profecia assim o diz, mas porque querem fazer o que é mais correto.

Há muita moralidade a querer passar, assim como a importância de preservar o ambiente, a ignorância religiosa e os seus dogmas, a aceitação da homossexualidade e da liberdade sexual, a boa índole, etc. Afinal, é um livro dirigido ao público mais jovem e, como tal, não pode descurar do objetivo educativo.

Percebe-se que a história terá continuação. Confesso que fiquei um pouco curiosa em saber como é que o autor irá trabalhar o segundo volume, tendo em conta o estado em que deixou as protagonistas e o vilão.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s