Puros – Julianna Baggott

purosSINOPSE: Num futuro impreciso e distópico, um contingente militar, que começara por ser uma força de socorro, tornou-se tirânico e impôs a sua lei.Todos os jovens devem unir-se a este contingente quando fazem 17 para se tornarem militares, ou no caso dos mais fracos, para servirem de alvo na prática de tiro.No meio deste caos, uma construção sobreviveu incólume às explosões. Chamam-lhe «A Cúpula» e lá habitam os “Puros”, assim designados por não apresentarem quaisquer marcas da catástrofe. Os Puros são, também, um protótipo geneticamente aperfeiçoado que voltará, um dia, a povoar a terra.”Puros” é a história do encontro de Pressia, uma sobrevivente que acaba de fazer 17 anos no mundo exterior, com Partridge, um jovem Puro que vive na Cúpula.

OPINIÃO: “Puros” é diferente das outras distopias. “Puros” é mais agressivo no domínio visual do ambiente. Aqui não há uma protagonista bonita, cativante pela sua força, pelo seu altruísmo. O mundo está destruído, os indivíduos deformados, entregues às suas imperfeições grotescas. É um mundo de monstros humanos, onde a beleza está entregue apenas a uma elite privilegiada e exilada, os puros.

Este livro eleva ao máximo o poder dos conhecimentos e até onde isso nos pode levar num estado de pura emergência do planeta. Quem é salvo, quem fica para trás; os interesses que culminam de segredos antigos e a pouca moralidade que existe entre todos, sem exceção.

Esta história prendeu-me pela sua ligação próxima com a possível realidade, pela sua crueldade e, sobretudo, pela construção destes personagens tão caricatos, tão monstruosos na sua aparência e tão fortes no interior.

O livro terminou (como já é normal em trilogias e/ou sagas) num impasse que suscita a curiosidade de saber como é que o trama se vai desenrolar.

Mais uma vez, vejo-me inclinada a recomendar vivamente este género literário, não só pelo seu conteúdo de entretenimento, mas pelas reflexões que deixa ficar aquando o virar da última página. Cada vez mais, considero pertinente reavivar a memória do mundo do que aconteceria com o declínio do nosso Estado de Direito democrático e nos vissemos embrenhados numa anarquia. Porque não fazê-lo de uma forma tão leve e interessante como a leitura destes livros leves de páginas e densos de conteúdo psicológico?

Compre AQUI!

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s